quinta-feira, 4 de agosto de 2011

"La Familia"

Todos nós temos uma família, maior ou mais pequena, que conhecemos ou não! Mas qual é, ou deve, ser a nossa relação com ela?

Eu tenho uma família grande mas muito pouco unida. Ao longo dos anos cada um foi para o seu lado e foram ditas e feitas coisas que não deveriam. Fico sempre muito triste quando penso que a minha família numerosa está reduzida. Simplesmente gostava que todos fossemos unidos, no melhor e no pior, que todos estivéssemos juntos nas datas festivas, que todos nos amassemos verdadeiramente e que todos se esquecessem dos seus próprios interesses em prol do bem e da união. Mas já comprovei, muitas vezes, que não é de todo possível. Vários feitios, várias personalidades e vários interesses que atrapalham a vivência feliz de uma família!


 
(Fonte: Google Imagens)


A minha noção de família foi-se alterando ao longo do meu caminho! Talvez a maioria de nós cresça com a ideia que só é familiar quem tem o mesmo sangue ou que através de laços amorosos se juntou a família. Eu aprendi que os familiares, por vezes, são os piores e que quando nos magoam a dor que causam é mil vezes maior (talvez por sentirmos um amor que nunca colocámos em causa).

Vi a minha família de sangue diminuir por causa das intrigas e dos sentimentos negativos que se apoderam das pessoas (aqueles sentimentos que podemos escolher não ter: inveja, ciúme, ganância, etc) mas vi com muito orgulho a minha família afectiva crescer: a família do P. acolheu-me como uma filha e tenho amigos que são mais do que irmãos!

Se é possível uma família, grande ou pequena, ser unida? Sem dúvida, basta apenas existir vontade em todos para que isso aconteça! E fico sempre muito feliz quando vejo casos em que todos se dão super bem e em que são muito unidos.
E para vocês, qual é a vossa definição de família?

Boa Viagem!

7 comentários:

paula MARIANA disse...

Olá minha querida, BOM DIA!!
Venho deixar-te a minha modesta opinião.
Eu venho de uma familia(por parte da minha mãe em que eram 18 irmãos, unidos??....Até um dia, pois na minha meninice todos eram unidos, morreu o meu avô e avó e logo se foram desunindo... separando...afastando.
Como se o elo de união se quebrasse de repente e pelo contrário fosse sim o motivo de os afastar uns dos outros. Claro que a vida também a isso nos obriga: casamento, trabalho, nova familia (será que não são só desculpas triviais?)
Bem mas continuando vem agora os meus pais, separaram-se nos meus 18 anos e eu e o meu irmão resentimo-nos desse facto. Eu casei, ele também, a família uma vez mais se foi afastando, diminuindo... pois vim para Lisboa (sou do Alentejo), depois para o Porto e quase naturalmente vamo-nos vendo menos pois nem sempre vou lá ou ele cá, a minha mãe igualmente, mas somos unidos dentro do que é possível. Do meu pai ainda mais me afastei pois foi ele próprio que assim o quis, infelizmente.
Agora unida, unida mesma é a familia que eu constituí, A MINHA
O meu amado marido (à 22 anos), os meus 4 filhos lindos (todos rapazes) e os meus sogros que adoro e que são como pais para mim. É nas dificuldades que ao longo destes anos nos temos unido ainda mais e isso só demonstra a importância que damos ao valor da família. O meu marido descobriu recentemente ter um cancro(linfoma) podíamos ter ido abaixo, desligado de tudo e todos, "descambado" como eu costumo dizer, no entanto foi com essa descoberta horrível e violenta que nos agarrámos todos e o nosso amor ainda mais aumentou e acredito que tem feito milagres....
NA FAMÍLIA, SEMPRE E ACIMA DE TUDO, DEVEMOS PERDOAR, ESQUECER E COLOCAR PARA TRÁS DAS COSTAS AS COISAS MENOS BOAS O IMPORTANTE MESMO É SERMOS UNIDOS E FELIZES POIS SÓ ASSIM A VIDA FAZ SENTIDO...


Beijinhos!!

Caminhante disse...

Mariana, também senti que quando o meu pai morreu a família afastou-se e perdemos o elo de união. Acho que com tantas tecnologias para comunicar, por exemplo, o trabalho e a falta de tempo, é mesmo uma desculpa trivial.
Eu ainda não casei mas estou junta com o meu namorado e sinto-me muito unida aos meus sogros que também são uns pais para mim. Espero um dia quando tiver filhos transmitir a mensagem de amor e união acima de tudo!
Eu vi no teu blog a doença do teu marido, esse tem que ser um motivo de união! Admirei a força que transmitiste em que falaste disso, apesar da dor!Espero que o teu marido esteja melhor.
Beijinhos e muito obrigada pelo teu comentário (já não me sinto sozinha neste sentimento de família).

saboracasa disse...

Lá em casa eramos 4 - Pai, mãe, irmã e eu ... Nunca tivemos grandes ligações com a família. Uns na África do sul, outros no Brasil e ainda espalhados pelas Americas. Iamos tendo notícias mas nada de laços...
Na faculdade tinha a família dos amigos, que entre ajudavamo-nos. passamos por momentos bons e menos bons - mas sabiamos que podiamos contar com os amigos.
MAS voltava sempre para o meu porto seguro - CASA da mãe.
Quando casei apareceu outra família bem mais numerosa 6 irmãos e outro tanto de primos.... mesmo grande. por estarem todos espalahdos pelo pais tentamos estar sempre junto, entre ajudamo-nos com o que podemos. Depois aparece os filhos e a vida muda! começa haver outras prioridades e necessidades, MAS volto sempre a porto seguro CASA da Mãe ou sogra.
Neste porto seguro tentamos encontrar e reunir com alguma frequência.
O que sei é que ao longo da vida formam-se amizades verdadeiras que podem não estar sempre presentes, mas que quando precisamos podemos contar com elas. Para mim isto é a família

♥ Danizitha disse...

como eu te entendo. Somos uma família enorme e no entanto não tenho família a não ser mãe, pai, irmão e cão, sim porque esse tb faz parte :)

Mafalda S. disse...

A minha família também é, no geral, uma tristeza (felizmente há excelentes excepções). Criticam-se muito (nas costas, claro) e eu detesto intrigas.

Mas sabes o que acho que devemos fazer? Transmitir às novas gerações uma perspectiva diferente, a ideia de que, independentemente do que aconteça, estamos lá para apoiar (nos bons e maus momentos). Se mudarmos o legado que nos deram, estaremos a transmitir uma mensagem mais positiva aos nossos filhos.

Beijo

Ana (A mamã é só minha) disse...

Eu não tenho a família unida como gostaria, no entanto sou da opinião da Mafalda, a minha aposta é nos meus filhos. Conforme eu e o meu marido aprendemos com os erros dos casamentos dos nossos pais o que não se deve fazer, temos conseguido ter um casamento de sucesso ao longo de quase catorze anos. Com os nossos filhos, faremos o mesmo, são os dois iguais para nós e têm sempre os mesmos direitos, nada de injustiças, coisa que não tolero.
De tudo faremos para ter os nossos filhos e netos sempre unidos, é uma questão de educação e de prioridade que temos na nossa vida: o amor e a família.

Beijinhos

Caminhante disse...

Saboracasa, é muito bom termos esse porto seguro que falas pois sabemos que lá vamos encontrar aquilo que mais precisamos: amor!
Também tenho amigo assim, com quem nem sempre estou mas que quando estamos juntos parece que apenas não estivemos juntos um dia e sabemos que estão sempre lá..são uma espécie rara.. :)

Danizitha, na minha família do peito também entram a minha gata e o meu cão! Valem muito mais que certas pessoas :)

Mafalda S., as pessoas criticam nas costas porque são cobardes, nunca querem fazer intrigas mas são as que começam sempre primeiro as confusões!
Concordo contigo, temos que mostrar aos nossos sucessores as coisas boas da vida e da família e que ele é o nosso porto seguro como diz a Paula (saboracasa).

Ana (A mamã é só minha), também esse é um dos meus objectivos: não cometer os erros que a minha família cometeu e mostrar ao meus filhos que a família é em quem mais pode confiar.

Muito obrigada a todas pelos comentários. São sempre muito bem-vindos.
Beijinhos