quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Comunidade!

Vivemos numa rua, num bairro, numa aldeia, numa vila, numa cidade.. Consoante o nosso sentimento de pertença a um local é essa a palavra que usamos. Por exemplo, eu vivi numa rua de uma vila, depois mudei-me para um bairro e, actualmente, vivo numa terrinha de pescadores invadida pelo turismo. Se na rua onde vivia todos se conheciam, as coisas mudaram bastante quando me mudei para o bairro social da "grande" cidade.
Ao ver este programa que, sem dúvida, é um dos meus preferidos, apercebi-me que em Portugal ninguém diz que "vive numa comunidade" ou "que pertence a uma comunidade". O máximo que eu ouvia quando andava na catequese era "a minha paróquia".

(Fonte: Google Imagens)

No Extreme Makeover - Home Edition, que dá na Sic Mulher à noite, utiliza-se muito o conceito de comunidade. As pessoas pertencem a uma comunidade, trabalham, ajudam e vivem  em prol da sua comunidade. Há um sentimento de união e de partilha (obviamente que nem sempre tudo deve ser rosas) que me toca bastante. As pessoas unem-se para dar uma casa a alguém que precisa e que, muitas vezes, ajuda activamente a sua comunidade.
Em Portugal não conheço nada assim, até porque também não existe nada do género. Se existisse não duvido que muitas pessoas se juntassem para ajudar (outras juntavam-se para olhar e criticar) apenas pela sensação maravilhosa que é ajudar alguém!


(Fonte: Google Imagens)


Esta equipa, todos os voluntários e todos os que participam no programa,  estão de parabéns pelo excelente trabalho que fazem! De certeza que têm os seus corações cheios de alegria, de amor, de paz e de uma incrível sensação de bem-estar!


Boa Viagem!

9 comentários:

saboracasa disse...

Temos pequenas comunidades sempre prontas para ajudar sem esperar nada em troca. Aqui no Porto uma cidade bem grande conheço um grupo de pessoas que ajudam familias desprotegidas e movem ações para melhorar o dia a dia dessas pessoas. Na terra da minha mãe perto de Águeda conhecemos uma família que tem as portas sempre abertas (quem conhecem...) e partilham o que têm.
Tenho uma amiga que parte da sua vida dedica aos outros sem esperar recompensa alguma. A minha sogra faz parte de uma confraria que ajuda os pobres em Cinfães.
A questão é que nenhuma destas pessoas divulga o que faz.
Concordo que as pessoas estão mais distantes e frias não têm tempo para parar e ajudar quem não conhece. Será que é uma defesa para evitar problemas? sempre é melhor evitar ... Eu vejo-me um pouco assim, aqui na grande cidade não conheço a pessoa, sem saber de onde vem para onde vai, sem saber o que aconteceu ou o que puderá acontecer, sou sincera prefiro evitar problemas. Por outro lado português é muito sensivel, faz muito barulho, na hora de ajudar encontramos muitas boas almas :)
até breve
paula

Manuela disse...

Querida Caminhante, por aqui ainda existe muito o sentimento de conjunto, em relação às freguesias. Tipo: "é uma boa pessoa, e da minha freguesia!"
Creio que comparado com o sentimento de comunidade de que falas, é muito idêntico. :)

♥ Danizitha disse...

Sinceramente já dei mais valor ao que se chamaria à minha freguesia. Como ela está sempre a evoluir já nem me preocupo com isso ;)

Super beijo

Bricolar e Poupar disse...

não conheço o programa mas deve ser muito bom, é uma excelente ideia.
Cá também poderia resultar, pode ser que um dia haja algo semelhante...

Caminhante disse...

Paula, é verdade que existem muitas pessoas que fazem muito voluntariado e que não divulgam o que fazem mas, neste caso, referia-me a um projecto maior como o da série. Compreendo muito bem a tua situação, a de querer evitar problemas. Em certos caso também me sinto assim.

Manuela, ainda bem que no local onde moras ainda se preserva esse sentimento. Eu acho muito bonito!

Danizitha, a minha freguesia também é enorme, maior do que devia e depois não consegue "chegar" a todos.

Bricolar e Poupar, eu recomendo este programa. Também espero que cá em Portugal venha a existir um programa assim!

Muito obrigada a todas pelos comentários.
Muitos beijinhos :)

Ana (A mamã é só minha) disse...

Também gosto muito de ver. E concordo, esse sentimento não é muito comum por cá. Mais depressa se aprende e copia o pior dos outros países, do que o melhor.

Beijinhos

Caminhante disse...

Ana, é uma grande verdade, muitas vezes copiam programas com pouca qualidade e sem conteúdo. Este programa ia fazer muitos portugueses felizes. Beijinhos

O meu pensamento viaja disse...

Caminhante, confesso que sou um pouco individualista. A minha comunidade é a família e os amigos, mas concordo, que uma comunidade mais alargada, funciona melhor, para bem de todos.
Beijinhos e muito obrigada pelo carinho.

Caminhante disse...

Nina, existem pessoas para quem nem a família e os amigos são comunidade por isso, não acho que sejas individualista.
Beijinhos :)